Total de visualizações de página

domingo, 6 de dezembro de 2009

TIPOS DE ALUNOS E SUAS MOTIVAÇÕES

Atendendo a pedidos segue artigo:
Segundo Adar (1975), existem quatro tipos ou necessidades principais que dirigem o aluno em sua aprendizagem:

*
Satisfazer sua própria curiosidade.

*
Cumprir as obrigações.

*
Relacionar-se com os demais.

*
Obter êxito.

Cada uma dessas necessidades é predominante em diferentes tipos de alunos. O autor faz um estudo motivacional tipológico e classifica os alunos em quatro categorias:


1. Curioso;
2. Consciencioso;
3. Sociável;
4. Que busca êxito.

Os diferentes tipos de aluno classificados por Adar (1975), apresentam características específicas:

Os alunos curiosos:

*
Mostram interesse por aprender novos fenômenos mesmo que não apareçam nos livros de texto.

*
Têm inclinação para examinar, explorar e manipular a informação.

*
Obtém satisfação como conseqüência dessa exploração.

*
Buscam a complexidade nas atividades escolares.

Os alunos conscienciosos se caracterizam por:

*
Desejo de fazer o que está bem e evitar o que está mal.

*
Incapacidade para saber quando cumpriram perfeitamente com suas obrigações.

*
Necessidade de suporte externo.

*
Desenvolvimento de sentimentos de culpa diante de qualquer incapacidade.

*
Falta de confiança em si mesmo ou intolerância diante dos erros cometidos.

Os alunos sociáveis são reconhecidos por:

*
Necessidade de conseguir e manter boas relações de amizade com seus colegas.

*
Boa disposição para ajudar seus colegas em todas as atividades escolares.

*
Nenhum temor ao falhar em situações escolares orientadas para o êxito acadêmico.

*
Concessão de maior importância às relações de amizade que às atividades e fatores escolares.

Os alunos que buscam êxito têm:

*
Preferência por situações competitivas.

*
Necessidade de obter êxito nessas situações.

*
Necessidade de conseguir estima e prestígio do professor e do resto dos colegas, como conseqüência do êxito.

Baças e Martín-Díaz (1992) estudaram as estratégias de aprendizagem que cada um dos quatro tipos de alunos preferia na aprendizagem das ciências experimentais, chegando as seguintes conclusões:

O aluno curioso prefere nesta ordem as seguintes estratégias: aprendizagem por descobrimento, usa de livros de referência para a obtenção da informação, trabalho prático versus explicações teóricas e oportunidade para conseguir sua própria iniciativa. Esse aluno demonstra resistência ao trabalho prático com construções claras e precisas, e ao ensino formal por transmissão verbal.

O aluno consciencioso prefere: avaliação pelo professor, trabalho experimental com instruções claras e precisas e trabalho em pequenos grupos. Mostra resistência exclusivamente ao uso de livros de referência.

O aluno sociável procura oportunidade para seguir sua própria iniciativa, mostra resistência a ser avaliado, trabalha melhor em pequenos grupos, sua aprendizagem é por descobrimento e trabalho prático versus explicações teóricas. Recusa o trabalho individual e o ensino formal.

O aluno que busca êxito prefere a aprendizagem por descobrimento e as estratégias que lhe permitam seguir sua própria iniciativa. Mostra resistência ao ensino formal por transmissão verbal.

Acreditamos não haver receitas prontas, mágicas que melhorem a motivação de nossos alunos. O importante é parar para pensar neste tema, refletir sobre nossa pratica educativa e procurar melhorar sempre, pois nosso aluno de hoje, será o nosso colega amanhã e nós teremos participação nisso, com certeza.

Pequenas diferenças no nosso desempenho trazem grandes diferenças nos nossos resultados.
Aprendemos 10% do que lemos, 15% do que ouvimos, mas 80% do que vivemos. Pensemos nisso...

Buscando alcançar êxito em sua tarefa de ensinar, o professor, partindo de um programa de disciplina, define os objetivos, seleciona certos conteúdos e alguns métodos a serem utilizados.

“Em cada momento deveremos utilizar a metodologia que nos pareça mais direta, mais eficaz ou mais enriquecedora e, sobretudo, mais motivadora”, sustentam Tapia & Fita (1999, p. 111). Porém, o que ele não pode esquecer é que os alunos não são todos iguais; são pessoas singulares, que reagirão distintamente aos objetivos estabelecidos, aos conteúdos e, principalmente, à maneira como o professor se relaciona com a turma.

Segundo Bordenave e Pereira (1982, p. 60), “as reações diferentes os levarão a aprender de forma diferente (ou a não aprender)”.

Faz-se então necessário que o professor esteja atento às características de seus alunos, de maneira que possa melhor planejar suas aulas, a fim de atingir o maior número possível de alunos e alcançar sucesso em seus objetivos. Não é aceitável um planejamento sem conhecimento do público alvo. Por esta razão é que muitas escolas estão deixando os planejamentos de curso para depois do início das aulas, para que o professor tenha tempo de conhecer seus alunos e planejar atividades relacionadas com a realidade das turmas, buscando atingir os interesses dos alunos, ou pelo menos se afinar com eles.

É importante buscar jeitos, formas, caminhos de como trabalhar conteúdos estimulando a motivação dos alunos, melhorando sua aprendizagem e tornando a escola um lugar mais feliz.

Tudo que é feito com prazer – este prazer que vem da motivação, quando temos motivos para agir – dá mais sentido à vida.

A motivação é extremamente relevante para o sucesso do processo de aprendizagem escolar, pois estar motivado é ter prazer em fazer algo e o prazer é o estímulo da vida.


Sei que é difícil mudar, mas, é possível.

REFERÊNCIAS:

*
ASSIS, Orly Z. M. de. Uma nova metodologia de educação pré-escolar. 5. ed. São Paulo: Pioneira, 1987.
*
FRIEDMANN, Adriana. Brincar: Crescer e Aprender – o resgate do jogo infantil. São Paulo: Moderna, 1996.
*
HOCKENBURY, Don H.; HOCKENBURY, Sandra E. Descobrindo a psicologia. 2.ed. São Paulo: Manole, 2001.
*
NOVA ESCOLA. Como lidar com alunos desmotivados. Abril, 2003.
*
SISTO, Fermino F.; OLIVEIRA, Gislene de C.; FINI, Lucila D. T. Leituras de Psicologia para formação de professores. Rio de Janeiro: Vozes, 2000.
*
TAPIA, Jesús Alonso; FITA, Enrique Caturla. A motivação em sala de aula: o que é, como se faz. 4.ed. São Paulo: Loyola, 2001.


"Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas que já tem a forma do nosso corpo.Esquecer os caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares.È o tempo da travessia:Se não ousarmos fazê-la teremos ficado pra sempre,à margem de nós mesmos."

(Fernando Pessoa)

2 comentários:

gil mendes disse...

OI LUCIENE.
COMO EU DISSE NO POST DOS MENININHOS, O MOLDE É GRANDE E NAO DA PRA ESCANEAR. TENHO A FIGURA MENOR, MAS NAO É MOLDE.
A PARTIR DA FIGURA VC FAZ O MOLDE OU PREFERE Q EU TE ENVIE O MOLDE GRANDE PELO CORREIO?
AGUARDO NOVO CONTATO.
ABRAÇOS.

DRIKA OLIVEIRA disse...

ameeeeei muito seu cantinho....
jah to te seguindo e te coloquei no meu blogrol..
assim, estarei sempre aqui...
qdo puder, me faça uma visitinha...
bjins

CONTADOR- PESSOAS ONLINE

QUANTAS PESSOAS QUE PASSARAM POR AQUI ATÉ AGORA...

Topo

Minha lista de blogs

Quem sou eu

Minha foto
Uma pessoa apaixonada por DEUS, pela vida, pelo meu filho "Leonardo" e meu esposo minha mãe, minhas irmãs, meu sobrinho "Eduardo" meus cunhados e é claro meus alunos

Seguidores

Topo da Página